Saltar para o conteúdo

A Margarida é uma planta vivaz, existente por toda a Europa em bordas de caminhos, prados e pastos.

Esta planta, também conhecida por Bem-me-quer, é sobejamente conhecida e usada pelas crianças para o tradicional jogo do “Mal me quer, bem me quer”, tal como o Malmequer.

Margarida
Ilustração por J. Sturm

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Angiospermae
Classe: Eudicotyledoneae
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Género: Bellis

A Margarida (Bellis perennis L.) ou Bonina é uma planta com 5 a 15cm de altura. De caule erecto e piloso, as suas folhas ovóides dispõem-se numa roste basal. Os capítulos florais são compostos por flores exteriores liguladas e brancas e flores interiores tubulares e amarelas. Os frutos são minúsculos. Ler artigo completo

A Arruda é uma planta vivaz, nativa da região mediterrânica, muito apreciada para fins decorativos.

Crê-se que afasta o mau olhado e as doenças contagiosas. Esta crença será, provavelmente, derivada do seu forte poder repelente de insectos.

Arruda
Ilustração pelo Prof. Dr. Otto Wilhelm Thomé.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Sapindales
Família: Rutaceae
Género: Ruta

A Arruda (Ruta graveolens L.) é uma planta com 20 a 90cm de altura. De folhas verde-azuladas, a Arruda floresce de Junho a Agosto. As suas flores são amarelas e têm 4 pétalas, à excepção da que fica na extremidade, que tem 5. Os frutos são em forma de cápsula. Ler artigo completo

O Azevinho é um arbusto, de crescimento muito lento, que pode atingir seis metros de altura.

É muito apreciado como decoração de Natal, facto que o colocou em grave risco de extinção no nosso país.

Azevinho
Ilustração pelo Prof. Dr. Otto Wilhelm Thomé.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Celastrales
Família: Aquifoleaceae
Género: Ilex

O Azevinho (Ilex aquifolium L.) cresce nos bosques da Europa temperada. Em Portugal era comum nos bosques de todo o país, especialmente na zona Norte. No entanto, a colheita desregrada para elaboração de decorações de Natal deixou-o praticamente extinto. Actualmente a colheita do Azevinho é totalmente proibida, sendo por isso apenas usado na forma cultivada. Ler artigo completo

Olá!

Não tenho tido disponibilidade para vir aqui partilhar convosco umas coisitas, mas como estamos na época natalícia não podia deixar de vir aqui desejar-vos umas Boas Festas.

E também partilhar convosco umas receitinhas doces que fazem parte da tradição cá  de casa.

Como todos sabem, nesta época, uns mais, outros menos, sempre comemos algumas coisitas diferentes e cá por casa também não fugimos muito à tradição e por isso, por exemplo os coscorões e as rabanadas não podem faltar na mesa, sob pena de haver alguns membros da família a ficarem um bocado tristes com a sua falta, hehehe. Ler artigo completo

A Erva-prata é uma planta herbácea comum em todo o território que cresce em prados vivazes sujeitos a pisoteio. Assim, é comummente associada a locais de passagem de gado.

Erva-prata
Erva-prata em Sierra Madrona, Espanha; Foto de Javier Martin

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Ordem: Caryophyllales
Família: Caryophyllaceae
Género: Paronychia

A Erva-prata (Paronychia argentea Lam.*), também conhecida como Erva-dos-unheiros ou Paroníquia, é uma planta perene que cresce com numerosos talos espalhados sobre pedras e muros. Pode alcançar 15 a 30cm de comprimento.

As folhas são pequenas, opostas, lanceoladas e algo pilosas. Entre Abril e Junho surgem as flores brancas, aglomeradas e rodeadas por brácteas brancas e prateadas. As flores têm cinco sépalas e não têm corola. Ler artigo completo

A Gilbardeira é um arbusto que cresce em bosques até 700m de altitude

Com as suas bagas vermelhas é bastante usada em decorações de Natal.

Gilbardeira
Ilustração por Amédée Masclef

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Asparagales
Família: Asparagaceae
Género: Ruscus

A Gilbardeira ou Gilbarbeira (Ruscus aculeatus L.) é um arbusto vivaz que forma moitas espessas. As suas folhas verde-escuras são falsas, sendo, na realidade, caules modificados, chamados cladódios. As folhas verdadeiras reduzem-se aos espinhos na ponta de cada cladódio. Ler artigo completo

Olá!

Hoje é dia de irmos festejar o aniversário de um sobrinho e como não podia deixar de ser, em dia de festa familiar tem de haver leite creme e arroz doce.

Lembro-me de que, sempre que nos juntávamos em casa da minha querida avó ela fazia um lanche onde havia sempre leite creme. "É o nosso Natal", dizia ela. Que saudades!

Adiante! Como estive a fazer os docinhos, lembrei-me de partilhar convosco as receitinhas, que são muito simples.

Leite Creme: Pus ao lume 1/2 L de leite, com uma casca de limão e um pau de canela, até levantar fervura. Retirei e deixei arrefecer. Entretanto pus numa tigela 5 gemas de ovos, um pouco do leite, já quase frio, bati-as um pouco com um garfo, juntei 5 colheres de sopa de açúcar, misturei bem e a seguir adicionei uma colher de sopa rasa de farinha maizena e uma colher de sobremesa rasa de farinha de trigo. Misturei tudo muito bem com o garfo. Juntei o preparado ao restante leite e levei ao lume brando, mexendo sempre, até engrossar. Retirei a casca de limão e o pau de canela, deitei na travessa e depois de frio polvilhei com açúcar e queimei com o ferro quente. Ler artigo completo

“Se existisse algum remédio contra o poder da morte, o homem não morreria no jardim onde cresce a Salva.”

Estas palavras de Santa Hildegarda descrevem bem as propriedades curativas da Salva, cujo nome, derivado do latim salvare, também alude ao seu uso medicinal pelos romanos.

Salva
Ilustração por Franz Eugen Köhler

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Género: Salvia

A Salva (Salvia officinalis L.), também conhecida por Salva-das-boticas pelo seu uso em farmácia é um sub-arbusto de folhas verde-esbranquiçadas e aveludadas. As suas flores azul-violáceas, surgem no fim da Primavera. Ler artigo completo

A Tramazeira é uma árvore que cresce de 3 a 15 metros de altura. Comum nas zonas de montanha, encontra-se no nosso país nas regiões do Norte e Centro, sendo especialmente abundante na Serra da Estrela.

Encontram-se ao longo das estradas que atravessam os carvalhais e vidoais, especialmente nos locais mais chuvosos.

Tramazeira
Ilustração por Walter Müller

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Sorbus

A Tramazeira (Sorbus aucuparia L.), também conhecida por Cornogodinho, caracteriza-se pela sua casca lustrosa e pelas suas folhas compostas por 9 a 19 folíolos lanceolados e de bordas irregulares Ler artigo completo

A Oliveira é a árvore mediterrânica por excelência. Antigo símbolo da agricultura, as suas ramagens simbolizam a paz. Pensa-se que o Homem a utiliza há, pelo menos, 5000 anos.

Cultivada um pouco por todo o país, surge também de forma espontânea tomando o nome de Zambujeiro ou Oliveira-brava.

Oliveira
Ilustração por Franz Eugen Köhler

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Oleaceae
Género: Olea

A Oliveira (Olea europaeaL.) é uma árvore com 3 a 15 metros de altura e raízes profundas (até 6 metros de profundidade). Pode viver durante milhares de anos, existindo em Santa Iria da Azóia (Loures) uma Oliveira com mais de 2800 anos. Ler artigo completo