Saltar para o conteúdo

O Orégão é uma planta vivaz, nativa do Mediterrâneo, que habita em solos pedregosos e prados solarengos.

Em Portugal encontra-se nas regiões montanhosas e cultivado um pouco por todo o país.

Orégão
Ilustração de Johann Georg Sturm (Colorida por Jacob Sturm).

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Género: Origanum

O Orégão (Origanum vulgare L.) é uma planta com 30 a 80cm de altura de caule erecto com 4 ângulos, ramoso na parte superior. As folhas são ovais e pontiagudas.

As flores são brancas ou rosadas, numerosas, dispostas em panículas terminais densas, com brácteas de cor púrpura. O fruto é um tetraquénio com cada uma das partes ovóide. Ler artigo completo

Várias espécies de plantas que já passaram por estas notas contêm Óleo Essencial. É a presença desta substância, que é diferente em cada espécie, que as torna, por definição, plantas aromáticas. A Aromaterapia é a utilização destes óleos para fins terapêuticos.

Aromaterapia
Óleos essenciais e queimador.

Apontamentos históricos

O uso das plantas e do seu aroma é quase tão antiga como a humanidade, mas é com a invenção do alambique que a extracção dos óleos pelo processo de destilação começa a ser realizada, dando origem aos óleos essenciais na forma como hoje os conhecemos. Ler artigo completo

A Camomila é uma planta herbácea anual, nativa dos Balcãs, que habita em campos, terrenos baldios e nas bermas dos caminhos.

Em Portugal encontra-se principalmente nos campos cultivados e searas do Centro do país e na região de Lisboa.

Camomila
Ilustração de Johann Georg Sturm (Colorida por Jacob Sturm).

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Género: Matricaria

A Camomila (Matricaria recutita L.) ou Camomila-alemã é uma planta com 20 a 50cm de altura de caule glabro, erecto e muito ramificado. As folhas são verdes em lacínias lineares.

As flores são brancas liguladas na periferia e amarelas tubulares no centro dispostas sobre um receptáculo oco. O fruto é um aquénio arqueado e pequeno, encimado por uma coroa escariosa.

O nome Camomila vem do grego e significa “maçã da terra,” devido ao seu aroma intenso que faz lembrar este fruto.

Usos medicinais e princípios activos:

Rica em óleo essencial com camazuleno, flavonóides, cumarina, álcool, ácidos gordos, heterósidos, potássio e Vitamina C, é analgésica, antiespasmódica, annti-inflamatória, anti-séptica, emenagoga, eupéptica, sedativa e tónica.

Tradicionalmente usado para tratamento da dispepsia (má digestão), como calmante e para alívio de problemas menstruais.

É também usado como coadjuvante no tratamento da candidíase.

Estudos recentes sugerem a sua utilização como preventivo em pessoas propensas à diabetes.

Externamente é usado para tratamento de queimaduras solares e, em champô, para aclarar o cabelo.

Apenas deve ser consumida entre as refeições.

Usos culinários:

Não tem.

A Giesta-branca é um arbusto endémico da Península Ibérica que habita matas, urzais, margens de cursos de água e solos abandonados.

Encontra-se por todo o país.

Giesta-branca
Ilustração por Pierre-Joseph Redouté.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Fabales
Família: Fabaceae
Género: Cytisus

A Giesta-branca (Cytisus multiflorus (L Hér.) Sweet) ou Maia é um arbusto com 1 a 3m de altura de caule muito ramoso. As folhas são simples na parte superior e trifoliadas na parte inferior. Cada folíolo mede menos de um centímetro.

As flores são brancas (é a única espécie de Giesta com as flores desta cor), em número de 1 a 3 na axila das folhas. Os frutos são vagens peludas com até 2,5cm de comprimento.

Melífera, é muito apreciada pelas abelhas.

Nalgumas regiões do nosso país existe o costume de, no primeiro dia de Maio, enfeitar as casas com os ramos floridos desta espécie, daí ser também conhecida por Maia.

Usos medicinais e princípios activos:

Ligeiramente tóxica, deve usar-se com moderação.

Hipoglicemiante, é tradicionalmente misturada com folhas de marmeleiro e oliveira para o tratamento de diabetes.

Usos culinários:

Não tem.

A Graciosa é uma planta vivaz que habita à beira de águas paradas, costas e prados húmidos.

Em Portugal encontra-se nas margens dos rios e das valas a Norte do Tejo.

Graciosa
Ilustração por Vicente Martin de Argenta.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Plantaginaceae
Género: Gratiola

A Graciosa (Gratiola officinalis L.) ou Erva-do-pobre é uma planta com 20 a 50cm de altura de caule erecto, oco, cilíndrico na base e anguloso no vértice. As folhas são verdes, opostas elanceoladas.

As flores são amareladas ou rosadas, isoladas na axila das folhas. Os frutos são cápsulas com numerosas sementes.

Muito apreciada nos séculos XVI e XVII pelas suas propriedades purgantes, ficou conhecida por Graciosa pois era “uma graça de Deus”. Caiu em desuso devido ao perigo na sua utilização, sendo usada apenas por pessoas que não tinham possibilidade de adquirir remédios mais caros, daí o seu outro nome comum, Erva-do-pobre.

Usos medicinais e princípios activos:

⚠️Muito tóxica, deve ser apenas usada com acompanhamento especializado.

Rica em heterósidos cardiotónicos, é cardiotónica, diurética, emética e purgativa.

Utilizada em homeopatia.

Tradicionalmente usada como purgante, é demasiado violenta e em doses excessivas pode ser mortal.

Usos culinários:

Não tem.

A Bistorta é uma planta vivaz que habita em valas, pântanos, ao longo dos rios e nos prados de montanha.

Em Portugal encontra-se na região de Montalegre.

Bistorta
Ilustração de Johann Georg Sturm (Colorida por Jacob Sturm).

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Caryophyllales
Família: Polygonaceae
Género: Polygonum

A Bistorta (Polygonum bistorta L.) é uma planta com 3cm a 1m de altura de caule simples, erecto, cilíndrico, e estriado. As folhas basais são grandes, oblongas ou lanceoladas. As folhas superiores são sésseis e invaginantes.

As flores são cor-de-rosa-pálido, em espiga terminal compacta. Os frutos são aquénios trígonos castanhos e lisos.

O seu nome provém do rizoma característico, duas vezes torcido.

A planta não deve estar em contacto com o ferro.

Usos medicinais e princípios activos:

Rica em tanino, glúcidos, Vitamina C e ácido oxálico, é adstringente, antidiarreica, tónica e vulnerária.

Usada no tratamento de diarreias.

É também usada, como supositório, no tratamento das hemorróidas.

Externamente é usada como cicatrizante de feridas.

Usos culinários:

No Norte de Inglaterra usam-na como o principal ingrediente do Dock Pudding.

O Hissopo é uma planta vivaz que habita em solos calcários e paredes expostas ao sol.

Em Portugal encontra-se apenas cultivado.

Hissopo
Ilustração de Otto Wilhelm Thomé.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Género: Hyssopus

O Hissopo (Hyssopus officinalis L.) é uma planta com 20 a 60cm de altura de caule ascendente e ramificado. As folhas basais pequenas, inteiras e com nervura saliente.

As flores são azuis ou violeta escura, dispostas em espiga unilateral folhosa. O fruto é um tetraquénio contendo uma semente.

É uma planta melífera extremamente atraente para as abelhas.

Usos medicinais e princípios activos:

Rica em óleo essencial, heterósido, tanino e colina, é antiespasmódico, aperitivo, carminativo, depurativo, estimulante, estomáquico, resolutivo e vulnerário.

Usado tradicionalmente no alívio da tosse e das dores de garganta, é também útil para a asma.

Externamente é usado para tonificar a pele e como loção refrescante para as pálpebras.

Por ser estimulante deve ser usado com moderação pelas pessoas nervosas.

Usos culinários:

É um dos ingredientes principais do Za’atar, condimento usado no Médio Oriente.

É também usado na produção de licores, sendo um dos ingredientes oficiais do Chartreuse.

A Arnica é uma planta vivaz que habita nos solos ácidos das montanhas, em prados e paúis. Em Portugal trata-se de uma espécie protegida, pelo que não deve ser colhida.

 

Arnica
Ilustração de Johann Georg Sturm (Colorida por Jacob Sturm).

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Género: Arnica

A Arnica (Arnica montana L.), Tabaco-dos-saboianos ou Panaceia-das-quedas é uma planta com 20 a 60cm de altura de caule floral erecto, simples, pubescente e glanduloso. As folhas basais são ovais, dispostas em roseta, enquanto as caulinares são mais pequenas e lanceoladas.
As flores são amarelas (alaranjadas), em capítulos grandes e isolados com 15 a 20 flores liguladas (popularmente chamadas pétalas) e as centrais tubulosas (popularmente, o olho). O fruto é um aquénio papiloso.
O seu nome latino significa “pele de cordeiro das montanhas”, uma referência à sua suavidade e ao seu habitat. Os outros nomes comuns derivam do seu uso medicinal e do facto de os pastores a fumarem em substituição do tabaco. Ler artigo completo

O Amor-de-hortelão é uma planta anual que cresce em sebes, moitas e nas orlas dos bosques. Em Portugal existe em praticamente todo o território.

Amor-de-hortelão
Ilustração de Otto Wilhelm Thomé.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Gentianales
Família: Rubiaceae
Género: Galium

O Amor-de-hortelão (Galium aparine L.), é uma planta com 20cm a 1,5m de altura de caule delgado, quadrangular, viloso nos nós e ramoso a partir da base. As folhas são compridas, agrupadas em verticilos, lineares, com pelos gancheados na face superior e no bordo.

As flores são brancas e pequenas. O fruto é tuberculoso, com pelos.

O seu nome comum e o nome da espécie , aparine (aquele que se agarra), provêm da facilidade com que se agarra ao vestuário de quem por ele passa.

Usos medicinais e princípios activos:

Rico em heterósidos é anti-inflamatório, aperitivo, cicatrizante, diurético, sudorífico e vulnerário.

Utilizada em compressas e cataplasmas na cicatrização de feridas.

Internamente é usado para o tratamento de hidropesia e reumatismo.

Usos culinários:

Comestível antes de aparecerem os frutos, pode ser cozinhado como vegetal de folhas.

O Amor-de-hortelão é da família do Café e os seus frutos, torrados e moídos, podem ser usados como sucedâneo deste. A raiz moída também pode substituir a Chicória.

O Escórdio é uma planta vivaz que habita em valas, prados húmidos e terrenos pantanosos, encontrando-se, por vezes, completamente submersa na água.

Nativo da Europa, em Portugal cresce nos locais húmidos do Continente até 1000m.

Escórdio
Ilustração por Vicente Martin de Argenta.

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Género: Teucrium

O Escórdio (Teucrium scordium L.), ou Camédrios-da-água, é uma planta com 10 a 20cm de altura de caule verde matizado de violeta, vilos, acetinado e muito ramoso. As folhas são verde-acinzentadas, macias, vilosas, oblongas e serradas.
As flores são púrpura ou violáceas, solitárias ou agrupadas na axila das folhas, de cálice viloso, giboso e com 5 dentes. O fruto é castanho e reticulado.

O nome scordium vem do grego e significa “alho” devido ao intenso cheiro aliáceo das folhas, quando são esmagadas entre os dedos.

Usada em tinturaria para tingir as lãs de verde.

Usos medicinais e princípios activos:

Rica em colina, tanino e essência é febrífugo, tónico e vulnerário.

É usado nas úlceras cutâneas.

Devem usar-se as folhas e sumidades floridas frescas enquanto conservam o seu odor característico.

Usos culinários:

Não tem.