Saltar para o conteúdo

A Rosa-canina é um arbusto, comum nos campos europeus, com 1 a 3 metros de altura que forma barreiras impenetráveis devido aos seus espinhos.

Os jardineiros usam-na para construir sebes, sendo também muito usada como cavalo na enxertia de rosas cultivadas.

Rosa-canina
Ilustração pelo Prof. Dr. Otto Wilhelm Thomé

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Angiospermae
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Rosa

A Rosa-canina, também conhecida como Rosa-de-cão ou Silva-macha (Rosa canina L.) é um arbusto com folhas alternas e grandes flores brancas ou rosa-pálido, com cinco pétalas, que florescem de Abril a Julho. Ler artigo completo

1

O Marmeleiro é um arbusto médio (ou pequena árvore) geralmente cultivado, embora ocasionalmente apareça subespontâneo.
Depois de termos falado do fruto, falamos hoje da árvore propriamente dita.

Marmeleiro
Ilustração por Franz Eugen Köhler

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Cydonia

O Marmeleiro, Cydonia oblonga Mill.,* é a única espécie do género Cydonia, o que significa que, embora seja parente da Macieira ou do Espinheiro-alvar, é uma planta com características únicas. Ler artigo completo

Marmelos

Olá!

Como estamos na época dos marmelos resolvi dar-vos umas dicas sobre este fantástico fruto.

O marmelo é o fruto do marmeleiro, uma pequena árvore originária do Sudeste da Europa e das regiões mais amenas da Ásia Menor.

O marmelo tem inúmeras propriedades, benéficas para o nosso organismo. É, por exemplo, uma boa fonte de vitamina C, ácido málico, pectina e minerais, como o potássio, o ferro e o cobre.

Devido a estas propriedades, o marmelo contribui para a boa saúde do fígado e estômago, além de ser um bom aliado no combate a estados de exaustão física e mental. Ler artigo completo

O Agastache-anisado é uma planta vivaz, originária da América do Norte, praticamente desconhecida em Portugal, embora seja um cultivo comum dos produtores de plantas para “chá”.

Agastache-anisado
Foto por R. A. Nonenmacher

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Lamiaceae
Género: Agastache

O Agastache-anisado (Agastache foeniculum (Pursh) Kuntze), também conhecido por Hissopo-gigante ou Hissopo-anisado (embora sejam muito diferentes dos verdadeiros Hyssopus) caracteriza-se pelos seus caules erectos que podem atingir 90cm de altura, grandes inflorescências de cor lilás, folhas verdes com o verso verde-prateado e pelo seu aroma forte a anis, que lhe confere um sabor adocicado. Ler artigo completo

A Equinácia é uma planta herbácea com flor, nativa da América do Norte, usada para reforçar o sistema imunitário. Em Portugal encontra-se apenas cultivada.

Equinácia
Foto por H. Zell

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Angiospermae
Classe: Eudicotyledoneae
Clado: Asterids
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Subfamília: Asteroideae
Tribo: Heliantheae
Género: Echinacea

A Equinácia cresce de modo espontâneo nas pradarias da América do Norte, onde é uma espécie protegida, sendo cultivada também na Europa. A espécie mais comum, por ser a mais cultivada, é a Echinacea purpurea L.. Ler artigo completo

Olá!

Hoje, e porque esta página faz parte da minha aventura, apetece-me falar um bocadinho sobre croché, porque "nem só de pão vive o homem".

Como sabem o croché é uma espécie de artesanato feito com um ferro com uma espécie de gancho na ponta. Com esse gancho podemos tecer, ou "bordar" bonitos trabalhos em linha, lã, ou outros materiais à escolha.

Ninguém sabe muito bem a origem do croché, pensa-se que a sua origem vem de tempos muito antigos.

Como gosto bastante de fazer croché, entre outros trabalhos manuais, tenho estado a fazer uns paninhos para oferecer e lembrei-me de um ponto muito simples que a minha avó me ensinou quando eu ainda era miúda. Ler artigo completo

3

Iniciamos hoje uma rubrica regular sobre Plantas Aromáticas e Medicinais e os seus usos, e não há planta melhor para começar que o Espinheiro-alvar.

O Espinheiro-alvar é um arbusto, comum nas nossas florestas, que cresce em forma de pequena árvore com 3 a 8 metros de altura.

Embora acarinhado pelos que o conhecem, é muitas vezes considerado "mato" e cortado por ter espinhos. É, no entanto, uma das plantas medicinais mais conhecidas e documentadas.

Espinheiro-alvar
Ilustração pelo Prof. Dr. Otto Wilhelm Thomé

Ficha Botânica:

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Crataegus Ler artigo completo

Olá!

Hoje resolvi falar-vos um pouco sobre o feijão frade, não só porque temos andado a colher, mas também porque é um feijão de que gosto.

O feijão frade (vigna unguiculata, de seu nome científico) é uma leguminosa originária de África e da qual existem várias espécies. Foi levado para o Brasil pelos colonos portugueses e hoje em dia é cultivado em quase todo o mundo. Pessoalmente costumo cultivar três variedades, este da foto, um mais pequenino, de cor bege, que penso ser o que no Brasil chamam feijão caupí e o feijão de metro, uma variedade de trepar e que uso para comer as vagens. Ler artigo completo

1

Olá!

Em tempo de fruta fresca, os pêssegos são sempre bem vindos, tanto pelo seu sabor como pelas suas propriedades.  Cá na quinta acaba sempre por haver algum excesso, por isso é preciso arranjar umas receitinhas para aproveitar a fruta e não deixar estragar.

Mas primeiro vamos deixar umas curiosidades sobre esta fruta bem gostosa e saudável.

Os pêssegos são originários da China e são ricos em vitaminas A e C e alguns minerais, como o magnésio, o cálcio e o ferro. Além disso contêm outras substâncias, como por ex. betacarotenos e ácidos fenólicos, que ajudam a prevenir alguns problemas de saúde. E só tem 68 calorias! Ler artigo completo

2

A mesa das coisas para troca

Olá! Ontem participei num encontro/troca de sementes e plantas, em Martingança, evento que a meu ver deveria realizar-se um pouco por todo o lado, pois além de servir para enriquecermos a nossa biodiversidade, serve também para irmos preservando as nossas sementes tradicionais e acima de tudo para nos enriquecermos também um pouco como seres humanos, através da partilha e do são convívio.

Hoje, não quis deixar de pôr aqui estas palavras, também para agradecer a todos os que quiseram partilhar comigo um pouco de seu saber e acima de tudo para dizer que a minha aventura passa por aqui: partilha, luta, preservação das nossas espécies agrícolas, sem intermediários prejudiciais à nossa biodiversidade e à nossa cultura pura e sã. Ler artigo completo